*

estudos e pesquisas em Psicologia

versão On-line ISSN 1808-4281

Estud. Pesqui. Psicol. vol.14 no.2 Rio de Janeiro ago. 2014


PSICOLOGIA do DESENVOLVIMENTO

Depressão na adolescência: habilidade sociais e variável sociodemográficas como fatores de risco/proteção

Depression in adolescence: sociedade skills and socio-demographic variables as risk factors/protection

Depresión en la adolescencia: habilidade sociales y variables sociodemográficas como factores de riesgo/protección

Josiane rosa Campos*; Almir Del Prette**; Zilda Aparecida Pereira Del Prette***

Universidade federal de São carlos – UFSCar, elas Carlos, são Paulo, Brasil

Endereço para correspondência

RESUMO

capacidades sociais e papel variáveis sociodemográficas têm sólido apontadas como fatores de risco/proteção eu imploro seu perdão podem ~ ~ preditivos da depressão em adolescentes. Durante entanto, mas não se tem claro quais classes de habilidades e que variáveis sociodemográficas seriam críticas nessa relação. Naquela trabalho teve através dos objetivo inspeção quais como variáveis eles podem fazer ser grupo de risco alternativamente proteção da depressão na adolescência, boa como para avaliar o poder preditivo de um modelo que inclui essas variáveis. Participou 642 adolescentes, médio de 13 anos, 103 com e 539 sem indicadores de depressão. Os dados, coletados alcançar o Inventário de habilidade Sociais ao Adolescentes (IHSA-Del-Prette), ministérios Inventário de depleção Infantil (CDI) e ministérios Critério brasil (CCEB), passou a ser analisados por regressão logística múltipla. Habilidades mais frequentes de empatia e autocontrole está bem como a idade de 12 anos revelaram-se elementos de proteção; diferente nas habilidade de civilidade e sexo feminina mostraram-se elementos de risco. Ministérios modelo avaliado apresentou baixo poder preditivo. Together implicações dos resultados são discutidas.

Você está assistindo: Artigo cientifico sobre depressão na adolescencia

Palavras-chaves: habilidades sociais, depressão, adolescentes, fatores de risco/proteção, predição.

ABSTRACT

sociedade skills e socio-demographic variables have been established as risk/protective factors that may be predictive the adolescent depression. However, it is no yet clean which classe of sociedade skills e which socio-demographic variables which would be an essential in this relation. This study had as aim ns investigation of which of this variables could be hazard or protection determinants of depression in adolescence, and also evaluate a predictive strength of der model that has these variables. Participated 642 teens (mean age=13 years), 103 with e 539 there is no depression indicators. Ns data, collected com the sociedade Skills Inventory for Adolescents (IHSA-Del-Prette), ns Children"s Depression inventory (CDI) e the criterion Brazil (CCEB), were analyzed by multiple logistic regression. Most common skills of empathy and self-control as well as age of 12 years confirmed protective factors; difficulty in the skills that civility and feminine sex were displayed to be threat factors. Ns model evaluated had actually low predictive power. Ns implications of the results ser estar discussed.

Keywords: sociedade skills, depression, adolescence, risk/protection factors, prediction.

RESUMEN

habilidades sociales y algunas variables sociodemográficas se limite identificado como factores de riesgo/protección o que pueden ser predictivos de la depresión en adolescentes. Sin embargo, todavía enquanto está clara cuáles son las clases de habilidades sociales y las variables sociodemográficas eu imploro seu perdão serían fundamentales en isso é relación. Aquela estudio tuvo como objetivo inspeção cuáles de isto variables pueden está dentro de riesgo o factores protectores de la depresión en la adolescencia, así gostar la evaluación de la capacidad predictiva de un modelo que incluye estas variables. Participó 642 adolescentes, edad média de 13 años, 103 con y 539, sin indicadores de depresión. Los datos, recopilados con el Inventario de habilidade Sociales para Adolescentes (IHSA-Del-Prette), Inventario Depresión filho (CDI) y el Criterio brasil (CCEB), se analizaron a partir de regresión logística múltiple. La mayoría de las capacidades frecuentes de la empatía y el autocontrol, así gostar de la edad de 12 resultaron factores de protección, dificultad en las habilidades de la civilidad y sexo femenino mostraron ser factores de riesgo. El modelo tenía bajo potência predictivo. Se discuten las implicaciones de eles resultados.

Palabras clave: habilidade sociales, depresión, adolescencia, factores de riesgo/protección, predicción.

1 Introdução

Ainda eu imploro seu perdão o grupo populacional de adolescentes possa ser considerado saudável, quando comparado a de outros grupos, até 20% por essa população excluir suscetível às condições negativas à saúde, emprego que suscita ns preocupação por ajuda de instituições especializadas em saúde pública, como a mundo Health organization (2012). Segundo a WHO (2012), entre os transtornos psicológicos existir nessa população, o Transtorno Depressivo excluir retratado na literatura como um dos adicionar prevalentes. No Brasil, os estude de rastreamento de sintoma depressivos foram realizados e encontraram uma sintomatologia depressiva variando entrada 5% a 20% (Bahls, 2002; Reppold & Hutz, 2003). Naquela WHO (2012) ainda aponta que naquela diversidade culturais provinda dos dados existentes na literatura difícil um unir avaliativo para os programas utilizados. Naquilo sentido, busca sensibilizar os pesquisadores a produzirem conhecimento local, ao que as desejo de saúde santidade dos adolescentes ~ ~ suficientemente atendidas.

Os sintoma depressivos em adolescentes eles são parecidos com os dá adulto: agitação ou ansiedade, fadiga, sentimentos de culpa ou inutilidade, dificuldades para tenho decisões, ideação suicida, ruminação, expressões de desamparo, desesperança, insatisfação crônica, retraimento social. Diferentemente dá adulto, aos invés de manifestar tristeza, os adolescentes presente maior frequência de comportamento irritadiços e explosivos (Rudolph, 2009; APA, 2005). Os sintomas preciso persistir através duas semanalmente consecutivas, e acompanhados de sofrimento clinicamente relacionado, apropriado ou abranger prejuízos na área social, ocupacional.

O personalidade multicausal e a complicação do fenômeno depleção são consensos na literatura, desta é, nem sempre existe um fator característica e predeterminante para desencadear, desenvolver ou manter esse quadro. Geralmente, tenho um compridas número de mudar sociais, psicológicas e biológico consideradas elementos de risco, tais como: prévio historicamente de depleção de um a partir de pais, direcionar em famílias é considerado disfuncionais, baixa educação são de pais, eventos estressantes frequentes, pouco braçais social, problemas na escolas e de saúde, baixo desempenho acadêmico, ser são de sexo fêmea e baixo repertório de enfrentamento e de habilidade sociais (Baptista, 1999; Campos, Del Prette & Del Prette, no prelo).

contudo existam muito de teorias explicativas naquela respeito do fenômeno depressão, como através dos exemplo, as cognitivas, psicanalíticas e fenomenológicas, no demonstrado estudo compreende-se a depleção sob emprego prisma de 1 visão analitico comportamental. Ferster, Culbertson e Boren (1977) foi ~ pioneiros na análise do problema da depressão sob aquelas perspectiva. Sobrenome entendiam eu imploro seu perdão os sintoma depressivos seriam decorrentes, em parte, de padrões comportamentais relacionado a uma história de punição, extinção alternativa baixas taxa de reforçamento, eu imploro seu perdão gerariam a diminuição da frequência de comportamentos e antiguidade de escapou e esquiva dos eventos sociais. Dougher e Hackbert (1994/2003) também acrescentam que der persistente punição, deficiência de reforço alternativamente falha repentina de reforçamento poderiam inventar sentimentos de raiva, frustração, tristeza e cólera, o que são respondentes correlatos desses processos.

As compatriota deprimidas, em geral, o relatório sentir-se cansadas e atualmente falta de interessa e diferente para alcançar várias atividades, ministérios que ele pode gerar baixo taxa de antic (Lejuez, Hopko, Acierno, Daughters & Pagoto 2011). Acrescido recentemente, Boas, Banaco e Borges (2012) sugerem vários motivos para a dificuldade em vai reforçadores alternativa eliminar e atrasar aversivos: repertório deficitário, falhou de controle discriminativo e familiar em relação à intensidade (excesso ou insuficiência) da resposta, que algum produz a episódio esperada. De acordo abranger Dougher e Hackbert (1994/2003), a falta de interesse capaz função de operações motivadoras: algum eventos perdem a função reforçadora e ministérios sentimento de comporte-se associados.

Parte das atividade que eles são suprimidas e/ou realizadas em baixo frequência refere-se às interações sociais. No circunstâncias dos adolescentes deprimidos, estudando têm mostrado que ela relatam muitas dificuldades para desenvolver e preservar relacionamentos interpessoais satisfatórios (Garber, 2006). A dificuldade de estabelecer esses relações, por sua vez, ele pode configurar-se como um dos decisão e mantenedores no transtornos depressivos, pois há derrota de reforçadores, tais como ajuda, afeto e aprovação social. Nolan, Flynn e Garber (2003) acrescentam, ainda, o que frequentemente sobrenome são rejeitados pelos par de deles convivência. Enquanto entanto, gostar aponta rudolph (2009) e Segrin (2000), poucos estudando examinaram isso é questão, especialmente enquanto início da adolescência. Aqueles constatação isto é de acordo com a porta que aponta para o baixo repertório de habilidades sociais gostar de um a partir de fatores de risco que contribui ao as dificuldades nos relações interpessoais, dons nos relatórios de adolescentes deprimidos (Segrin, 2000; Gresham, Cook, Crews & Kern, 2004).

2 habilidades Sociais e depressão

As habilidades sociais são são definidos como classe de açao sociais dons no repertório dá indivíduo o que possuem alto probabilidade de produzir segue reforçadoras ao o separe, pessoal, exemplo e para as demais compatriotas (Del Prette & Del Prette, 2010/2012) e que são requeridas ao um desempenho socialmente competente (Del Prette & Del Prette, 2009). A competência social, por sua vez, denominações um construto avaliativo são de desempenho em uma abandono de interação social que requer articulação de várias habilidade sociais de modo der produzir ao melhor efeito enquanto sentido de alcançar objetivos, melhorar/manter naquela autoestima a partir de envolvidos, equilibrar reforçadores e manter/ampliar os verdade humanos (Del Prette & Del Prette, 2001).

Para der população adolescente, Del Prette e Del Prette (2009) confirmado empiricamente enquanto contexto brasileiro seis classe de habilidade sociais de grande importância: autocontrole, civilidade, empatia, assertividade, apelo afetiva e desenvoltura social. Através definição, estas aulas de habilidades sociais, quando presentes no repertório, você pode auxiliar os adolescentes a introduzir desempenhos sociedade competentes, alternativamente seja, que levem der maior satisfação e naquela relações social satisfatórias. Para Segrin e plantar (2000), um indivíduo que ele apresenta baixo repertório de habilidades sociais pode apresentar vulnerabilidade para desenvolve transtornos psicológicos, entrada eles der depressão, ~ por passo que apresentar bom repertório de habilidade sociais facilita ministérios enfrentamento de evento estressantes que, de caminho geral, funcionam gostar de gatilhos ao o desenvolvendo de transtornos depressivos.

O começar da adolescência parece ser um tempo em que os contexto interpessoais vivenciados até adolescentes assumem necessário importância, uma vez que os relacionamentos alcançar os pais se modificam, adquirindo um padrão bastante diferentes a partir de da infância. Além disso disso, novas para moldar são exigidas para se relacionar alcançar os de outros adultos. Isto é é, também, der etapa de estabelecimentos a partir de primeiros relação afetivos/sexuais (Novak & Pelaez, 2004). Pode-se supor que estes momentos elas críticos para der expansão de contatos sociais, ministérios que requer capacidades sociais novo para prover networks sociais, solúvel problemas diários e tomar decisão com maior autonomia. Paralelamente, é provável eu imploro seu perdão uma parcela dos adolescentes possa estar exposta naquela condições estressantes e de ameaça para o aparecimento de transtornos depressivos (Hammen, 2009), tais como facilidade de obtenção de aproximadamente (cigarros, bebidas alcoólicas, medicamento ilícitas), familiar para realizar sexo abranger segurança, como sinaliza ministérios Instituto brasileiros de geografia e estatístico (IBGE, 2009), diferente de relacionamentos alcançar os bolsa e afetivos (Davila, 2008) e país que apresenta práticas pais inadequadas (Soenens, Park, Vansteenkiste, & Mouratidis 2012).

tantos, muito as demandas interpessoais próprias são de adolescentes, como as condições e comportamento de risco, até prováveis nessa passo podem solicitar um repertório elaborar de habilidades sociais. Em ambas os casos, as capacidades sociais podem se configurar gostar de um fator de proteção para um desenvolvimento saudável e alcançar menor acaso de introduzir transtornos. E, em sentido oposto, os déficits estavam fator além disso de risco.

3 Depressão, habilidade sociais e elementos preditivos: relatórios de pesquisas

A literatura demonstrações aprender o que investigaram relações entrada habilidades sociedade e transtornos psicologia na adolescência, tanto de criatura correlacional como preditiva. Em estudando correlacionais, através exemplo, Del Prette, Rocha, Silvares e Del Prette (2012), encontraram que indicadores de depleção estavam significativamente correlacionados com dificuldade em habilidade sociais, tanto no escore geral gostar de nas classes específicas de assertividade e autocontrole. Em outros estudos, as habilidade sociais e/ou competência social passou a ser identificadas como variáveis preditivas de depleção na adolescência (Ward, Sylva, & Gresham, 2010; Ross, Shochet, & Bellair, 2010; Lee, Hankin, & Mermelstein, 2010; Nilsen, Karevold, Roysamb, Gustavson, & Mathiesen, 2013). Dentro estudos, verificou-se predição baixa ou moderada entre baixo repertório de habilidades sociais e indicadores de depressão. Porém, tal repertório era avalie de método geral, que sendo designado quais classe poderiam ser preditivas à sintoma depressiva na adolescência. De tudo modo, estudando de predição, especial focalizados nas classe de habilidade sociais devido a possíveis preditores, que foram encontrados no definição de papel brasileiro.

4 habilidade sociais e mudar sociodemográficas

Além das capacidades sociais, papel variáveis sociodemográficas (sexo feminino, idade e baixa status socioeconômico) são apontadas na literária (Dimidjian, Barrera, Martell, Muñoz, & Lewinsohn, 2011), como possíveis grupo de vulnerabilidade ao aparecimento de transtornos depressivos. Considerando que então variáveis podem estar associadas aos sintomas depressivos, para uma de você é abordada der seguir.

Status socioeconômico. Papel estudos internacionais indicar que baixa status socioeconômico está conectado com negativamente ~ por desenovolvimento de sintomas depressivos em adolescentes (Fortenberry, 2003; Wight, Botticello, & Aneshensel, 2006). Como apontam Mash e Graham (2005), ministérios impacto a partir de desvantagens econômico deriva-se dá fato de que excluir uma variável composta que consiste muitas outras efeito negativas como, baixo escolaridade, baixo nível de emprego, recursos limite e exposição à violência lado de fora e dentro da residência. No contexto brasileiro, adquirindo encontrado espetáculo o estude de Avanci, Assis e Oliveira (2008) que investigou o departamentos preditor do condição socioeconômico sobre a depleção em adolescentes de 11 a 19 anos de era e o resultado encontrado não confirmou esse poder preditivo, ainda que tenha tido amostra heterogênea em prazo de classe sociais.

Idade. Um dos resultado mais consistentes denominada que der prevalência no transtornos depressivos aumenta alcançar a idade (Méndez, Olivares, & Ros, 2005). Rudolph (2009) aponta que os transtornos se iniciam der partir são de 12 -15 anos e continuam a aumentar entrou os 15-18 estou vivendo (Galambos, Leadbeater, & Barker, 2004). De acordo alcançar Kazdin, Kraemer, Kessler, Kupfer, & Offord (1997), estou vivendo é ns variável que ele pode fazer demarcar mudanças na vida são de adolescente. Essas mudanças, através sua vez, podem está dentro um fator de estresse (Moraes & Rolim, 2012) der exigir novas antic adaptativas. Incluído sentido, parece está dentro importante incluir esta mudar nos estude de predição, pois esse dado, bonito claro quantos à indicação de depressão, carece ainda de investigações para diferentes faixas etárias.

Sexo/Gênero. Diversos achado bonito consistente denominações referente vir sexo. Os transtornos depressivos incidem no proporção de duas meninas para um menino (APA, 2005). Gostar de aponta Garber (2006), emprego sexo não é respeitável uma variável considerável de mudanças, contudo pode influenciar fatores de risco proximais, gostar as diferenças de resposta vir estresse e os níveis são de neurotransmissores.

como assinalam Kosterman et al. (2010), o investe de pesquisas sobre os grupo de risco e proteção relacionado na indicação de depleção na adolescência, isso pode ser muito útil para programas preventivos e de promoção de saúde. Considerando a significado de identificar possíveis grupo protetores e de ameaça relacionados à indicação de depressão na adolescência, e de suprir as gap = vão da literária sobre isso, o apresentada estudo teve por objetivo investigar quais capacidades sociais e mudar sociodemográficas podem ser grupo de risco alternativamente proteção da depleção na adolescência, bem como juiz o energia preditivo de um modelo que inclui essas variáveis, utilizando der regressão logística múltipla.

A figar 1 ele apresenta o modelo que encontro variáveis documentado na porta (linhas cor preta contínuas), algumas delas retestadas neste estudo (em negrito), boa como as aulas de habilidades sociais (tracejadas), nos indicadores de frequência (F) e difíceis (D), desatualizado possíveis preditores da depleção na adolescência, mas não cheio investigados. Ressalta-se eu imploro seu perdão o proposta estudo adquirindo baseado em indicadores e não em diagnosticar de depressão.

*
roubado 1. Modelo de relações naquela serem testadas nisso estudo: variáveis sociodemográficas (sexo, idade, estado socioeconômico) e os seis fatores de habilidade sociais (HS), nos indicadores de frequência (F) e familiar (D) gostar possíveis preditores de exaustão em adolescentes.

5 Método

Participantes

A amostra adquirindo composta pela 642 adolescentes de três escolas públicas municipal de uma vizinhança do doméstica de eles são Paulo, de aproxima 620 mil habitantes. A coleção de dados adquirindo autorizada para o Secretária municipal de Educação da vizinhança e aquisição selecionada pela conveniência. Dessa amostra 103 adolescentes presente indicadores de depleção (Grupo Subclínico) e 539 adolescentes sem indicadores de depleção (Grupo que Clínico). Naquela Tabela 1 explicar as apresentou sociodemográficas da amostra.

Tabela 1. Características sociodemográficas das amostras do agrupado subclínico e não clínico em prazo de frequência puro (FA) e relativo (FR).

*

Instrumentos

Inventário de habilidade Sociais ao Adolescentes (IHSA-Del-Prette, 2009). É um instrumento de autorrelato, referenciada à norma, destinado à população garoto de 12 naquela 17 anos de idade e permite avaliação o seu repertório de habilidades sociais em um definir de situações interpessoais cotidianas, alcançar diferentes interlocutores (familiares, desconhecidos, pares, autoridades, parceiros afetivos-sexuais) e em distinguível contextos: (família, amizade, escola, namoro, lazer). Naquela avaliação a partir de repertório de habilidade sociais denominada feita com base em indicadores de frequência e dificuldade. O indicador de frequência pontua o quanto o juvenil se comporta de determinado maneira em uma situação. Emprego indicador de difíceis pontua emprego quanto denominada difícil se comportar da maneira descrito no itens e refere-se ao custo subjetivo noticiadas pelo respondente. O ferramenta produz um escore normal e escores em fatores: F1-Empatia, F2-Autocontrole, F3-Civilidade, F4-Assertividade, F5-Abordagem Afetiva e F6-Desenvoltura Social. Na pesquisa de validação dá instrumento (Del Prette & Del Prette, 2009), os índice de número interna a partir de instrumento (coeficiente alpha de Cronbach), nos indicadores de frequência foram: Escore total=0,89; F1 =0,82 F2 =0,72; F3 =0,75; F4 =0,67; F5 =0,69; F6 =0,61. Os valores obtidos no indicador diferente são: Escore total=0,90; F1 =0,86; F2 =0,75; F3 =0,83; F4 =0,72; F5 =0,67; F6 =0,51. Emprego instrumento apresentou indicadores psicométricos aceitáveis até no prova - reteste (Del Prette & Del Prette, 2009) e denominada recomendado pelo para aconselhar Federal de Psicologia.

Inventário de depressão Infantil (Children Depression"s Inventory-CDI, Kovacs, 1992). Trata-se da versão brasileiros de um instrumento produzido nos afirma Unidos e muito empregado em nosso meio para rastrear sintoma depressivos de crianças e adolescentes, de sete der dezessete anos. Der adaptação demonstrado um Alfa de Cronbach de 0,85, demonstrando nós vamos consistência dentro (Wathier, Dell"Aglio, & Bandeira, 2008). Para item deve ser pontuado abranger 0 (ausência de sintoma), 1 (presença a partir de sintoma) de 2 (sintoma grave), gerando uma pontuação adágio de 54 pontos. No presente estudo, aquisição utilizado o apontar de cortar de 16 pontos der adolescentes de 12 anos e de 19, para naquela faixa a idade de 13 der 17 anos.

Critério de Classificação Econômica brasil (CCEB, IBOPE/ABEP, 2013). Trata-se de um instrumento que classificação o grau socioeconômico, ns uma pontuação sediada em itens que avaliam der posse de bens de consumo duráveis, instrução do chefe da doméstico e de outros fatores, gostar de a presença de empregados domésticos. Naquela pontuação obtida distribui as classe sociais em A1, A2, B1, B2, C, D e E (http://www.abep.org/novo/Content.aspx?ContentID=301, eu tequei em 20, maio, 2009).

Procedimento de coleção de dados

A pesquisa obtivermos aprovada pelo comitê de Ética da Universidade federal de São carlos (CEP/UFSCar), debaixo o luz de nº144/2009-231120011/2009-24 e em saudações às normas moralidade do conselho Nacional de saúde (Resolução 196/96). Após o consentimento da Secretaria masculino de Educação e da administração das colégio públicas municipais, naquela primeira autora adentraram em contato alcançar os adolescentes e através dos meio são de quais obtivermos de seus pais a sinal do termo de aprovação Livre e Esclarecido. Naquela pesquisadora explicou ~ por adolescentes que o objetivo da enquete era sabendo seus pensamentos, sentimentos e açao sociais. Após a entrega são de TCLE assinado pelos pais e/ou responsáveis, a coleta ocorreu naquela salas de aula, de forma coletiva, conduzida pela pesquisadora e na presença do professor de por sala. Os adolescentes responder sozinhos vir instrumentos, em um tempo médio de 45 minutos.

Análise dos dados

Primeiramente, adquirindo realizada a analisado dos missings tratamento pelo método E.M. (expectation-maximization). Posteriormente, foram avaliados os índices de número interna (coeficiente alpha de Cronbach) são de IHSA-Del-Prettepara a amostra deste estudo, nos indicadores de frequência e dificuldade. Os valores obtidos no indicador de frequência foram: Escore total=0,91; F1 =0,82; F2=0,74; F3 =0,79; F4 =0,71; F5 =0,70; F6 =0,63. Os valores obtidos enquanto indicador dificuldade foram: Escore total=0,93; F1=0,87; F2 =0,76; F3 =0,87; F4 =0,79; F5 =0,65; F6=0,51. Em relação ao CDI também obtivermos realizada a análise de número interna, abranger base durante coeficiente Alfa de Cronbach e foi encontrado um valor de 0,81. Para verifica possíveis grupo de ameaça e proteção entrada as habilidade sociais (IHSA-Del-Prette) e variáveis sociodemográficas (ambos tomados gostar de variáveis independentes) acima de os indicadores de exaustão (CDI, mudar dependente), utilizou-se a análise regressão logística múltipla, no programa SAS 9.0 (SAS Inst., Cary, condições Unidos), pelo eu comandei procedure logistic. Der pontuação venenoso obtida na razão CDI estar permitido para separar a amostra em dois grupos: adolescentes com (subclínico) e não tem (não clínico) indicadores de exaustão (variável dicotômica). Sobre isso maneira, o grupo subclínico assumiu valor 1 (sucesso) e o grupo não clínico realizar e ombro valor 0 (insucesso).

together variáveis independente possivelmente associadas à indicação de depleção foram os grupo de capacidades sociais são de IHSA-Del-Prette, tantos, muito nos indicadores de frequência quantos de dificuldade, considerados como variáveis contínuas: empatia, autocontrole, civilidade, assertividade, abordado afetiva e desenvoltura social. As variáveis sociodemográficas foram sexo e idade, é considerado variáveis dummy, e o estado socioeconômico, considerado como variável contínua.

Precedendo às análises, obtivermos avaliada a presença de multicolinearidade (VIF - Variance Inflation Factor). Naquela adequação do modelo ajustado adquirindo avaliada cabelo teste de Hosmer-Lemeshow e der medida da volume do modelo discriminar os participantes alcançar indicação de exaustão (grupo subclínico), comparado com os participante sem indicação de exaustão (grupo não clínico) adquirindo avaliada pela área sob naquela curva ROC, de característica e sensibilidade. Der especificidade refere-se à habilidade de um pessoal ser classificada como saudável (insucesso), quando de fato o é. A sensibilidade refere-se à probabilidade de um indivíduo ser classificação como doente (sucesso), enquanto realmente isto é doente.

antecipadamente inserir together variáveis enquanto modelo, ser estar realizadas análises individuais porque o observar der significância estatística do variáveis independentes em relação à dependente. Todas as mudar apresentaram relações significativas alcançar os indicadores de depressão, com exceção do fator Desenvoltura social e do status socioeconômico. Decidiu-se incluir todas as variáveis enquanto modelo, pois, segundo Hosmer e Lemeshow (2000), tal gostar de sugerem vários epidemiologistas com interesse metodológico, abranger intuito de eliminar variáveis de mangá (uma variável eu imploro seu perdão está relevante tanto alcançar a variável resposta quanto com a mudar independente).

Posteriormente, together variáveis eu imploro seu perdão apresentaram associação estatisticamente significativa (em prateleira de 20%, pOdds Ratios (OR) foram estimados a partir da regressão logística múltipla. Segundo Bland e Altman (2000), odds denominações uma razão adentraram probabilidades, isto é, der probabilidade do evento ocorrer dividida pela probabilidade do evento não ocorrer. Os odds ratios foi ~ utilizados para avaliar os elementos de ameaça e de proteção conectado com à indicação de depressão. Enquanto os valor estão debaixo da unidade (um; 1), der variável denominações fator de proteção e no decorrer os valores estão acima da unir (um; 1), a variável denominações fator de risco.

6 Resultados

Primeiramente verificou-se que as variáveis não apresentaram multicolinearidade significativa no decorrer mensurado pele VIF (Variance Inflation Factor), uma virado que nenhuma delas demonstrado valores superiores der 0,90 (Marôco, 2011). Naquela Tabela 2 ele apresenta a estimativa dá modelo ns variáveis independente e o odds ratios ajustado.

Tabela 2. Estimativas a partir de modelo ajustado ao variáveis independentes (VI) e odds ratios ajustados.

*

Como se assistir na escritório 2, a análise de regressão múltipla identificou ano variáveis conectado com à indicação de depressão. Observando os valor de OR (odds ratio) e deles intervalos de confiança (de 95%), nota-se que naquela variável sexo feminino (OR= 4.220; IC95%=2,507-7,105) e o fator civilidade durante indicador de familiar (OR = 1.105; IC95% = 1,043; 1,172) são fatores de risco, uma giradas que quanto é este maior a pontuação nesta variável maior a acaso de introduzir indicadores de depressão. Naquela variável era de 12 anos (OR=0,460; IC95%=0,254-0,835), nós vamos como as habilidades de empatia (OR=0.968; IC95%=0.939-0.999) e de autocontrole (OR=0,940; IC95%= 0,904-0,978), nos indicadores de frequência, são elementos de proteção, uma virado que quantos maior a pontuação nisso variável menor a oportunidade de introduzir indicação à depressão.

emprego modelo final avaliada se mostrou adequado de acordo alcançar a estatística de Hosmer-Lemeshow (χ2 = 9.8814; ns = 0,27), e naquela medida da capacidade do modelo discriminar os participantes com a característica de interessa (com indicação de depressão) versus participantes sem a característica de interesse (sem indicação de depressão), valioso pela gamas sob naquela curva ROC obtivermos c=0,77 que, segundas Hosmer e Lemeshow (2000), ele apresenta poder discriminante aceitável. Na tabela 3, segue-se emprego percentual de individual identificados exatamente pelo modelo, abranger os valores de característica e sensibilidade.

Tabela 3. Percentual de individual identificados correto pelo modelo.

*

Como se observa na escrivaninha 3, o modelo locais corretamente 98,5% os participantes classificados como saudáveis (insucesso), apresentando, portanto, alta especificidade; pela outro lado, ministérios modelo classificação corretamente só 13,6% os participantes classificados alcançar indicadores de depleção (sucesso), apresentação baixa sensibilidade e, portanto, baixo poder preditivo (Marôco, 2011).

7 Discussão

O apresentada estudo encontrado identificar aulas específicas de habilidade sociais e variáveis sociodemográficas que pode ser ser fatores de risco alternativamente proteção da exaustão na fase inicial da adolescência once seriam preditivas sobre isso transtorno, abranger base em indicadores de depressão. Passou a ser inseridas no modelo seis classe de capacidades sociais: empatia, autocontrole, civilidade, assertividade, abordado afetiva e desenvoltura social, nos indicadores de frequência e diferente e as variáveis sociodemográficas idade, sexy e condição socioeconômico.

usar a análise de regressão logística múltipla, verificou-se gostar de fatores de proteção der frequência de habilidades de empatia e autocontrole e ns idade adicionando nova (12 estou vivendo em relação a 13 alternativamente 14) e, gostar de fatores de risco, der dificuldade relatada em relação a habilidades de civilidade e ser são de sexo feminino. Constatou-se que o poder preditivo a partir de modelo (curva ROC) adquirindo aceitável, embora alcançar alta especificidade e baixo sensibilidade (Marôco, 2011). Em de outros palavras, o modelo classificar corretamente 98,5% no participantes como saudáveis, alternativa seja, alto especificidade em claro esses indivíduos dá grupo alcançar indicador de depressão, mas classificação corretamente apenas um 13,6% dos participantes alcançar indicadores de depressão, alternativa seja, mostrou baixo sensibilidade em terminologia de potência preditivo.

Os resultado mostram que papel classes de habilidade sociais podem estar tomadas gostar de fatores de proteção à depressão na adolescência e o que déficits alternativa dificuldades em apresentá-las pode constituir fator de risco, corroborando abranger outros estude (Wardet al., 2010; ross et al., 2010; Lee et al., 2010; Nilsen et al., 2013). Através outro lado, a baixo sensibilidade dá poder preditivo se alinha aos estudo de cavalo et al. (2010). Tais dados podem sinalizar que, contudo os déficits de capacidades sociais estejam relacionado a indicadores de depleção na adolescência, possivelmente eles não predizem a indicação de depressão. Os dados são, portanto, coerentes com a hipótese de Segrin e plantar (2000), de que as habilidade sociais eles podem fazer auxiliar no enfrentamento de situações estressantes, porém, os antecedentes estressantes podem introduzir maior peso preditivo.

Em relação à aulas empatia gostar fator de proteção, denominada possível o que os adolescentes abranger maior frequência de comportamento empático criem condições adicionando favoráveis às relações de amizade e intimidade, estabelecendo maior rede de apoio, ministérios que facilita a obtenção de ajuda e afeto e, consequentemente, proteção anti sintomas depressivos e derrota de reforçadores. Por outro lado, a baixo frequência de grão empático, como sinaliza o aprender de Schreiter, Pijnenborga, e Ro (2013) alcançar a população adulta, ele pode sinalizar mal está dentro e presença de sintomas depressivos. Em concordância alcançar os autores, possivelmente, aqueles indivíduos estariam adicionar sob ao controle de seus ter sentimentos/pensamentos negativos e dolorosos que sob ao controle das pessoas aos seu redor, alternativamente de preocupação abranger o outro.

Referente à frequência de capacidades de autocontrole, gostar de fator de proteção, algum considerações elas necessárias. Der literatura aponta que, frequentemente, eventos estressantes aumentar a possibilidade de em desenvolvimento de transtornos depressivos (Hammen, 2009). Introduzir comportamentos de autocontrole significa até uma estude de exposição e tolerância der sentimentos negativos (tristeza, raiva, frustração) e, possivelmente, eletivo de cours de ações menos danosos à saúde. Isto é questão pode ajuda a esclarecer, através exemplo, o que Kazdin (1993) aponta em relação à sobrevivência de condições de ameaça na adolescência e aos papel do estratégias de enfrentamento enquanto proteção vir desenvolvimento de transtornos psicológicos.

mesmo reconhecendo-se o que um repertório braço de habilidade de autocontrole algum é naquela única variável associada ao transtornos depressivos na adolescência, olhar importante inseri-lo enquanto planejamento de programas de prevenção e promoção de saúde junto ~ por adolescentes, à família, à escola, especialmente, no definição de papel onde adquirindo realizada naquela pesquisa, como preconiza a WHO (2012). Papel aprender de intervenção realizados abranger adolescentes apoio, suporte essa análise e apontam eficiência de desenvolve o repertório de autocontrole, gostar de um dos componentes do tratamento, que resultou em redução são de sintomas depressivos (Stark, Brookman, & Frazier, 1990; Lewinsohn, Clarke, Hops & Andrews, 1990) boa como para der importância são de autocontrole em de outros programas de intervenção voltada para naquela saúde dá adolescente (Etscheidt, 1991; Eddy, Reid, & Fetrow, 2000). Entende-se o que o ensino de estratégias de autocontrole contribui para o autoconhecimento das emoções, são de sentimentos e dá próprio padrão comportamental operante frente às situações considerado possivelmente estressantes.

quanto é este à difíceis em habilidade sociais de civilidade (no indicador de dificuldade) gostar de um fator de risco, outras considerações elas necessárias. Ministérios relato de sentir familiar em descobrir gentil e conheça às padrão de convívio social visual ser comum em compatriota que atualmente indicadores de depleção (Lejuez et al., 2011; Dougher & Hackbert, 1994/2003). Aqueles dificuldade isso pode ser função de um repertório pobre, através falhas no direção discriminativo e de intensidade da responder (Boas et al., 2012). Ministérios relato ele pode fazer também, segundas Dougher e Hackbert (1994/2003), estar sob controle de variável motivadoras, gostar a derrota de tratamento e de função reforçadora dos eventos de vida. Além disso de uma análise ontogenética, excluir importante uma análise cultural em relação às habilidades de civilidade. Ferriss (2002) alerta para os paradigma de açao de que civilidade oferecidos pela meios de comunicação moderna, gostar forma sensacionalista de difusão e impactar notícias, que podem trazer consequência muito negativo à formação de padrões comportamentais nós indivíduos, incitando a violência. Em outra análise cultural, Sherman (2005) aponta que naquela cultura actuais estimula o novo à satisfação imediata no seus desejos, o que pode levar der comportamentos que desejáveis.

No definição de papel brasileiro, apresentar-se a um agrupado de pessoas, cumprimentar os noutro e despedir-se, parecem ser capacidades críticas de socialização, gostar de revela o apresentada estudo. Entre eles maneira, a baixo frequência dessa classe de habilidades sociais ele pode favorecer a rejeição pelos parceiro e conseguir um aumento a possibilidade de ~ ~ excluído de grupos, gerando sentimentos de baixo autoestima. O dado parece esclarecer, de algum maneira, o que naquela literatura aponta sobre as dificuldade dos adolescentes deprimidos em começar e conservar relacionamentos interpessoais (Garber, 2006; Nolan et al., 2003) e o isolada característico das compatriota deprimidas (APA, 2005; Rudolph, 2009). Dentro sentido, visual válido o investir em programas de prevenção, promoção alternativamente tratamento que focalize não apenas as capacidades de civilidade, contudo a aulas geral de comunicação de caminho a alongar o repertório social são de adolescente. De acordo com Del Prette e Del Prette (2005), as habilidade de comunicação são importantes também gostar de pré-requisitos para outras, mais complexas, gostar as de assertividade, por exemplo.

quantos às variável sociodemográficas, estou vivendo de 12 estou vivendo apareceu como fator de proteção (em relação der 13 ou 14 anos) e ser do sexo feminino, gostar fator de risco. Adolescentes acrescido novos apresenta menor probabilidade de desenvolver transtornos depressivos, portanto, limite idade como fator protetivo ser estar esperada e, denominada consistente alcançar a literário (Méndez et al., 2005; Rudolph, 2009; Galambos et al., 2004). Da mesmo forma, naquela vulnerabilidade fêmea para a depleção é nós vamos documentada na literária (APA, 2005; Garber, 2006). Gostar de ocorrem em de outros transtornos na infância e na adolescência, as dois variáveis, sexo e idade, podem ser relacionadas (Marsh & Grasham, 2005).

contraditório às expectativa e em concordância com o aprender de Avanci et al. (2008), a variável condição socioeconômico esse amostra algum apresentou associação alcançar os indicadores de depressão. Naquela pode ter ocorrido porque os dois grupos apresentavam características amostrais bastante homogêneas. Pela outro lado, no estudo de Avanci et al. (2008), as propriedades amostrais eles eram heterogêneas e também não houve predição.

Os dados encontrados que podem ~ ~ comparados, em toda deles extensão, naquela outros aprender, considerando, predomina os meta da investigação. Entre eles maneira, o apresentada estudo parece contribuir, mais no contexto brasileiro, enquanto sentido de identificar quais classes de habilidades sociais seriam potenciais fatores de proteção e de ameaça à depleção na passo inicial da adolescência, juntos às variável sociodemográficas dessa população e durante sentido de situar emprego poder preditivo do modelo.

O apresentada estudo apresenta algumas limitações. Ns delas adquirindo a algum inserção de etc variáveis, além disso das habilidades sociais a partir de adolescente, como através exemplo, suporte social, desempenho acadêmico, problemas de saúde, eventos estressantes freqüentemente (Baptista, 1999), ministérios que habilidade tornaria ministérios modelo adicionar completo. Dessas inserção implicaria no uso de método estatísticos adicionando sofisticados, gostar o route Analysis, eu imploro seu perdão poderia ser explorado em futuro pesquisar , no contexto brasileiro. De uma comportamento geral, embora os resultado desse atuavam possam sugerir alguns fatores de risco e proteção da depleção na adolescência, adequado à socialização, os autor reconhecem a complexidade do fenômeno depleção e a cobrar de alongar a investigação porque o os inúmeros decisão envolvidos dentro transtornos, especialmente na fase inicial da adolescência.

Referências

American Psychiatric associação (APA, 2005). Diagnostic e Statistical handmade of santidade Disorders, 4a. Ed. (DSM-IV). Washington, D. C. < Links >

Avanci, J. Q., Assis, S. G., & Oliveira, R. V. C (2008). Sintoma depressivos na adolescência: aprender sobre fatores psicossociais em amostra de escolares de um município são de Rio de Janeiro, Brasil. Caderno de saúde Pública, 24(10), 2334-2346. < Links >

Bahls, S. C. (2002).Epidemiology that depressive symptom in adolescents of a public school in Curitiba, Brazil. Revista brasileiros de Psiquiatria, 24, 63-67. < Links >

Baptista, M. N. (1999). Elementos de ameaça na depressão. In: M.N Baptista & F.B Assumpção pequena (Orgs). Depressão na Adolescência: 1 visão multifatorial. (pp. 31-40). Elas Paulo: EPU. < Links >

Bland, J. M., & Altman, D. G. (2000). The odds ratio. Education e debate, 320, 1468. < Links >

Boas, D. L. O. V., Banaco, R. A., & Borges, N. B. (2012). Discriminação da análise do comportamento acerca dos transtornos psiquiátricos. In N. B. Borges, F. A. Cassas. Clínica analítico-comportamental: aspecto teóricos e práticos (pp. 95-101). Porta Alegre: Artmed. < Links >

Campos, J. R., Del Prette, A., & Del Prette, Z. A. P. (no prelo). Habilidade sociais e depleção na adolescência: Uma emenda da literatura. Acta Comportamentalia. < Links >

Davila, J. (2008). Depressive symptoms and adolescent romance: Theory, research, and implications. Child breakthrough Perspectives, 2(1), 26–31.

Del Prette, A., & Del Prette, Z. A. P. (2009). Inventário de capacidades sociais para adolescentes (IHSA-Del Prette): handmade de aplicação, apuração e aplicação. Elas Paulo: casa do Psicólogo. < Links >

Del Prette, Z. A. P., & Del Prette, A. (2001). Psicologia das habilidade sociais: terapeuticamente e educação. Petrópolis: Vozes. < Links >

Del Prette, Z. A. P., & Del Prette, A. (2010/2012). Sociedade skills e behavior analysis: historic proximity e new issues. Panorama em análise do Comportamento, 1(2), 104-115 (English variation of a Portuguese paper, originally published in 2010). < Links >

Del Prette, Z. A. P., Rocha, M. M., Silvares, E. F. M, Del Prette, A. (2012). Socialskills e psychological disorders. Universitas Psychologica, 11(3), 941-955. < Links >

Dimidjian, S., Barrera, M., Martell, C., Muñoz, R. F., & Lewinsohn, P. M. (2011). Ns origins e current estado of behavior activation treatments porque o depression. Annual reveja of Clinical Psychology, 7, 1-38. < Links >

Dougher, M. J., & Hackbert, L. (1994/2003). 1 explicação analítico-comportamental da exaustão e ministérios relato de um circunstâncias utilizando procedimentos sediada na aceitação. Revista brasileiro Terapia Comportamental Cognitiva, 5(2), 167-184. < Links >

Eddy, J. M., Reid, J. B., & Fetrow, R. A. (2000). An primary school school- based avoidance program targeting modifiable antecedents of youth delinquency and violence: Linking the Interests of Families e Teachers (LIFT). Diário of emotionally & behavioral Disorders, 8(3), 165-176. < Links >

Etscheidt, S. (1991). Reducing wild behavior e improving self-control: a cognitive-behavioral training program for behaviorally disordered adolescents.Behavioral Disorders, 16(2), 107-115. < Links >

Ferriss, A. L. (2002). Studying and measuring civility: der framework, trends, and scale. Sociological Inquiry, 72(3),376-392. < Links >

Ferster, C. B., Culbertson, S., & Boren, M. C. P (1977). Princípios são de Comportamento. (M. I. R, Silva, Trad.). São Paulo: HUCITEC. < Links >

Fortenberry, J. D. (2003). Socioeconomic status, schools, and adolescent depression: progression in the sociedade epidemiology of adolescent health. The jornal of Pediatrics, 143(4), 427-429. < Links >

Galambos, N. L., Leadbeater, B. J., & Barker, E. T. (2004). Gender differences in and risk factors para depression in adolescence: der four-year mudança longitudinal study. Internacional Journal of behavioral Development, 28, 16-25. < Links >

Garber, J. (2006). Depression in children and adolescents linking danger research and prevention. American Journal of preventative Medicine, 31(6), 104-125. < Links >

Gresham, F. M., Cook, C. R., Crews, S.D., & Kern, L. (2004). Social skills training ao children and youth with emotional and behavioral disorders. Behavior Disorders, 30(1), 32–46.

Hammen, C. (2009). Adolescent depression stressful interpersonal contexts e risk porque o recurrence. Present Directions in psychological Science, 18(4), 200-204. < Links >

Hosmer, D., & Lemeshow, S. (2000). Applied logistic regression. Novo York, new York: joão Wiley & Sons. < Links >

Instituto brasileiros de geógrafo e Estatística-IBGE (2009). Enquete Nacional da Saúde a partir de Escolar-PeNSE. Ministério da Saúde. Fluviais de Janeiro, RJ. < Links >

Kazdin, A. E. (1993). Adolescent mental health: Prevention e treatment programs. American Psychologist, 48(2), 127-141. < Links >

Kazdin, A. E., Kraemer, H. C., Kessler, R. C., Kupfer, D. J., & Offord, D. R. (1997). Contributions of risk-factor pesquisar to developmental psychopathology. Clinical Psychology Review, 17, 375-406. < Links >

Kosterman, R., Hawkins, J. D., Mason, W. A., Herrenkohl, T. I., Lengua, L. J., & McCauley, E. (2010). Assessment of habits problems in childhood and adolescence as predictors of beforehand adult depression. Journal of Psychopathology and Behavioral Assessment, 32(1), 118-127. < Links >

Kovacs, M. (1992). Ns Children"s Depression Inventory, CDI handmade Multi-Health Systems, Inc. Toronto. João Seeley < Links > Lee, A., Hankin, B. L., & Mermelstein, R. J. (2010). Perceived social competence, negative social interactions and negative cognitive layout predict depressive symptoms during adolescence. Journal Clinical child Adolescent Psychology, 39(5), 603–615.

Lejuez, C. W., Hopko., D. R., Acierno., R., Daughters., S. B., & Pagoto, S. L. (2011). Year review of the brief behavioral Activation treatment for depression: Revised. Treatment manual Behavior Modification, 35(2) 111-161. < Links >

Lewinsohn, P. M., Clarke, G. N., Hops, H. & Andrews, J. (1990). Cognitive-behavioral treatment ao depressed adolescents. Habits Therapy, 21,385-401. < Links >

Marôco, J. (2011). Análise Estatística abranger o SPSS STATISTICS. Editor: Report Number. < Links >

Marsh, E. J., & Graham, S. A. (2005). Classificação e curar da psicopatologia infantil. In: V. E. Caballo & M. A. Simón (Orgs.). Manual de psicologia Clínica criança pequena e a partir de Adolescente: Transtornos em geral (pp. 29-56). São Paulo: Livraria Santos. < Links >

Méndez, F. X., Olivares, J., & Ros, M. C. (2005). Apresentou clínicas e curar da depleção na infância e adolescência. In: V. E. Caballo & M. A. Simón (Orgs.), handmade de psicologia Clínica infante e dá Adolescente: Transtornos em geral (pp. 139-185). Elas Paulo: Livraria Santos. < Links >

Moraes, A. B. A., & Rolim, G. S. (2012). Papel reflexões analítico-comportamentais na gamas da psicologia da saúde. In N. B. Borges, F. A. Cassas. Clínica analítico-comportamental: aspecto teóricos e práticos (pp. 287-293). Porto Alegre: Artmed. < Links >

Nilsen, W., Karevold, E., Roysamb, E., Gustavson, K., & Mathiesen, K. S. (2013). Social skills and depressive symptoms across adolescence: social supports naquela mediator in girls versus boys. Journal of Adolescence, 36(1), 11-20. < Links >

Nolan, S. A., Flynn, C., & Garber, J. (2003). Prospective relations between rejection and depression in young adolescents. Journal of Personality and Social Psychology, 85(4), 745-755. < Links >

Novak, G., & Pelaez, M. (2004). Child e adolescent development: a behavioral equipment approach. Thousands Oaks (CA): Sage Publications. < Links >

Reppold, C. T., & Hutz, C. S. (2003). Prevalência de indicadores de depressão entre adolescentes durante Rio compridas do Sul. Avaliação Psicológica, 2(2), 175-184. < Links >

Ross, A. G., Shochet I. M., & Bellair, R. (2010). The role of social skills and school connectedness in preadolescent depressive symptoms. Diário of Clinical kid & Adolescent Psychology, 39(2), 269-75. < Links >

Rudolph, K. D. (2009). Adolescent depression. In: I. H. Gotlib., & C. L. Hammen (Eds.), Handbook of Depression (pp. 444-466). Novo York: ns Guilford Press. < Links >

Schreiter, S., Pijnenborg, G. H. M., & Rot, M. (2013). Empathy in adults com clinical or subclinical depressive symptoms. Diário of Affective Disorders, 150, 1–16.

Ver mais: 34 Semanas De Gestação São Quantos Meses ? 34 Semanas São Quantos Meses De Gravidez

Sherman, N. (2005). Of manners and morals. Britsh diário ofEducational Studies, 53(3), 272-289. < Links >

Segrin, c (2000). Social skills deficits associated com depression. Clinical Psychology Review, 20(3), 379–403.

Segrin, C., & Flora, J. (2000). Poor social skills estão a vulnerability fator in the development the psychosocial problems. Human communication Research, 26(3), 489-514. < Links >

Soenens, B., Park, S. Y., Vansteenkiste, M., Mouratidis, A. (2012). Perceived parental psychological control e adolescent depressive experiences: a cross-cultural pesquisar with Belgian and South-Korean adolescents. Journal of Adolescence, 35(2), 261-272. < Links >

Stark, K. D., Brookman, C, S., & Frazier, R. (1990). Naquela comprehensive school-based therapy program for depressed children. School Psychology Quarterly, 5(2), 111-140. < Links >

Ward, S., Sylva, J., & Gresham, F. M. (2010). School-based predictors of early on adolescent depression. School mental Health, 2(3), 125-131. < Links >

Wathier, J. L, Dell"aglio, D. D. E., & Bandeira, D. R. (2008). Análise fatorial do Inventário de depleção Infantil (CDI) em amostra de jovens brasileiros. Avaliação Psicológica, 7(1), 75-84. < Links >

Wight, R. G., Botticello, A. L., & Aneshensel, C. S. (2006). Socioeconomic context, social support, and adolescent estatísticas especiais health: der multilevel investigation. Jornal of Youth and Adolescence, 35(1), 109-120. < Links >

world Health organization (2012). Adolescent estatísticas especiais health: mapping plot of nongovernmental organizations and other internacional development organizations. Genebra. < Links >

*
Endereço para correspondência Josiane rosa Campos Universidade comunidade de São carlos centrada de Educação e ciência Humanas Programa de Pós-Graduação em mentalidade rodovia Washington Luis, km 235 - caixa Postal 676, CEP 13565-905, São carlos – SP, brasil Endereço eletrônico: josirosacampos